shop-cart

Now Reading: Salvo-conduto I

Salvo-conduto I

Salvo-conduto I


Print Friendly, PDF & Email

Há não muitos anos, quando um qualquer cidadão tinha algo a tratar, uma conta para pagar, algo para reclamar, dirigia-se a uma repartição pública ou a um balcão de atendimento, por detrás do qual um empregado, remunerado pela respectiva entidade, preenchia um formulário e prestava-lhe serviço. A fila de espera podia ser longa, o empregado incompetente, a resposta morosa ou deficitária – mas, na era da burocracia, ainda se era atendido por pessoas (ou servidores de carbono).

A era da tecnocracia é um pouco mais perversa. Quando se é atendido, é por máquinas (ou servidores de silício, Silicon Valley). Se um cidadão qualquer quiser agora resolver algum assunto, dirige-se ao website da entidade, a qual, embolsando vários milhares, despediu o antigo funcionário do atendimento e trocou-o por um software (uma despesa de manutenção sumária, prestando um serviço igualmente sumário), e coage agora o próprio cliente a desempenhar as funções de preencher o formulário, digitalizar documentos, redigir declarações, e, depois de todo esse trabalho não remunerado, ainda paga por isso e pela ligação de Internet, da qual está cada vez mais dependente. É por isso que todas as empresas de cariz tecnológico querem que se forneça um e-mail e que se abra uma conta online e que se adira à factura electrónica, para que se passe automaticamente a ser empregado delas e o parolo ainda paga e tolera aumentos descabidos de preço. Nem sequer se pode dizer que tenha granjeado algum desconto nas contas pela sua colaboração para o lucro empresarial, antes acolheu responsabilidades que o obrigam a consumir recursos (tempo, energia, material) sem receber um centavo como contrapartida. Os custos burocráticos, que anteriormente recaíam sobre a entidade passaram agora para o lado dos clientes: papel, tinteiros, agrafos, clips, electricidade, desgaste e manutenção do material, etc. A antiga fila de espera, à porta da repartição, foi substituída pelo tempo de carregamento de uma impessoal página web (quando o excesso de tráfego não a bloqueia), o cliente agindo em causa própria tornou-se num empregado muito mais eficiente, enquanto que o pedido obtém a resposta automática de uma máquina ou, não raras vezes, perde-se num poço sem fundo e fica sem resposta. Tudo cai no poder do intermediário: o cliente é um serviçal, o receptor não está lá. O atendimento pessoal e o posto de trabalho do antigo empregado foram sugados por este entre-meio tecnológico. Esta meso-região de electricidade engana, parece calorosa, mas, na realidade, é glaciar, uma placa de gelo, sem pingo de humanidade, desumanizadora e desanimadora. Quando o cidadão paga todos os meses a “sua” factura de Internet – incluindo todos os períodos gastos em serviços “por conta de outrem” – consente obedientemente em pagar pela sua escravidão às facilidades digitais, sujeita-se à teia (web) da aranha universal. Assim, o homem comum das sociedades informatizadas passa cada vez mais tempo em frente do écran, agarrado à máquina que o sedentariza, à medida que crescem e se avolumam as tarefas digitais de self-service para as quais ele é requisitado: consultar extractos, pagar facturas, fazer transferências, requerer licenças camarárias, solicitar certidões de registo, comprar online, etc., etc. Tudo centralizado numa só pessoa. O novo escravo tecnocrático: um só indivíduo passa a acumular parte das funções dum ex-empregado de Banco, dum ex-empregado de repartição pública, dum ex-empregado de serviços municipalizados, dum ex-empregado de balcão de loja, dum ex-empregado de… De borla.

A tecnocracia procede ditatorialmente. Por exemplo, uma pessoa é obrigada a comprar um aparelho por causa de uma mudança tecnológica que não requereu: TDT. Paga tudo: as infra-estruturas, o aumento na factura, o aparelho conversor, a nova antena, a taxa audiovisual… E fica pior servida, com um sinal e imagem muito mais inconstante e vulnerável. Outro caso frequente: uma pessoa pede um empréstimo ao Banco e taxam-na três vezes mais (e ainda tem de domiciliar o ordenado e adquirir um seguro) do que a taxa de juro que recebe se for ela a emprestar dinheiro ao Banco. Dois pesos e duas medidas. Ou ainda: uma pessoa pede um esclarecimento a uma repartição pública via e-mail, para ser mais rápido e económico conforme proclamam, e, em resposta, solicitam-lhe que vá pessoalmente à delegação para lhe responderem ao e-mail. Há vias que só foram implementadas para servir um dos lados, unilateralmente. Além disso, a tecnocracia pode desdobrar-se numa longa verborreia sem eficácia, como no episódio verídico que se reproduz a seguir. Uma pessoa é obrigada a ligar para um número não gratuito para cumprir com a obrigação imposta por outrem de mudar de fornecedor de electricidade (do mercado regulado para o mercado “livre”, eufemismo) e é uma gravação de atendedor de chamadas que a atende ou, pior, que a não atende, mas faz gastar chamadas em vão: «Autoriza que esta chamada seja gravada? Se não, marque 1. Se sim, marque 2. [A pessoa marca 1.] Contacte-nos pelos meios alternativos na Internet. [Sem pré-aviso, a chamada é automaticamente desligada. A pessoa tem de ligar outra vez para o tal número não gratuito, ouvir o mesmo início, e é obrigada a aceitar ser gravada. Depois, o processo continua.] Se é… [parvo], marque 1. Se é… [totó], marque 2. Se é… [tolo], marque 3. Se é… [pacóvio], marque 4. Se é… [patego], marque 5. Se é… [palerma], marque 6. Para falar com um Assistente, aguarde. [Dez minutos à espera a ouvir uma música irritante…] Devido ao número elevado de chamadas em espera, não nos foi ainda possível atender a sua chamada. Deseja aguardar? Marque 1. [Dez minutos à espera a ouvir uma música irritante…] Não nos vai ser possível atender a sua chamada nos próximos trinta minutos. Se desejar fornecer o seu número, para ligarmos para si logo que nos seja possível, marque 1, se não, tente mais tarde».

With

22

Views


Written by

Jornal Mapa

Show Conversation (1)

Bookmark this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

One Person Reply to “Salvo-conduto I”


More from Contramapa Category