shop-cart

Now Reading: Ameaçado o último troço de costa natural do centro do algarve

Ameaçado o último troço de costa natural do centro do algarve

Ameaçado o último troço de costa natural do centro do algarve


Print Friendly, PDF & Email

A lagoa dos Salgados – o último troço de costa natural do centro do Algarve – está de novo ameaçada pelo mega turismo do golf e resorts. A defesa desse local único tem tido a voz ativa da Plataforma dos Amigos da lagoa dos Salgados, que critica uma Avaliação Ambiental que branqueia mais um enorme atentado ambiental.

No que parece impossível, entre Armação de Pêra e Albufeira, subsiste um local único e essencial à biodiversidade costeira e em particular à avifauna: a Lagoa dos Salgados. Em conjunto com o sapal de Alcantarilha, o cordão dunar da Praia Grande e os terrenos agrícolas limítrofes, a zona é reconhecida como um corredor ecológico e área natural de conservação prioritária. Está ameaçado por mais do mesmo no algarve: turismo de golf e resorts.

Situa-se ao lado do Empreendimento e Golfe da Herdade dos Salgados, hoje à beira da falência. Como se tal não bastasse o grupo financeiro Galilei (ex Sociedade Lusa de Negócios, ligado ao escândalo do BPN) pretende agora construir na margem ocidental da Lagoa o mega-empreendimento da Praia Grande: 358 hectares com 4000 camas por 3 hotéis e 2 aldeamentos turísticos, espaços comerciais e um campo de
golfe de 18 buracos.

A pressão exercida pela Plataforma dos Amigos da Lagoa dos Salgados e a sua petição com mais de 20 mil assinaturas levou a que no início de 2013 o processo de destruição tivesse que ser sujeito a Estudo de Impacte Ambiental (EIA), assim suspendendo a construção do empreendimento já avalizado por um Plano de Pormenor de 2007. E ao mesmo tempo que o enquadramento legal e do ordenamento territorial vai sendo rapidamente ajustado aos interesses financeiros, passam-se anos para que a Lagoa dos Salgados seja finalmente classificada como área protegida e/ou área da Rede Natura 2000, ou implementado o Plano de Valorização e Gestão de 2008, como reclama a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA).

Esta associação lembra ainda como têm sido ignorados os sucessivos atentados à Lagoa, pois “sempre que os interesses do golfe da Herdade dos Salgados são postos em causa, a lagoa sofre: desde aberturas ao mar em plena época de reprodução, até à extração ilegal de água para rega do golfe”. As obras com vista a aumentar o caudal de efluentes tratados para a lagoa (como para o uso do Golf), tiveram inicio a duas semanas das eleições autárquicas, anunciando a tão reclamada requalificação da lagoa.

Como considera a Plataforma dos Amigos da Lagoa dos Salgados, se a suspensão por via do EIA foi um ganho, este “não passa de um procedimento para tentar justificar aquilo que será, se for implementado, um enorme atentado contra o interesse público.” Com a decisão do EIA a ser conhecida brevemente e perante o que poderá significar o fim do último troço de costa natural do centro do algarve, há todos os motivos para ganhar força o protesto contra este novo mega-empreendimento algarvio.

A story about

,


Show Conversation (1)

Bookmark this article

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

One Person Reply to “Ameaçado o último troço de costa natural do centro do algarve”

  1. Retirado de http://greensavers.sapo.pt/2014/03/22/biodiversidade-da-lagoa-dos-salgados-continua-ameacada/

    Biodiversidade da Lagoa dos Salgados continua ameaçada

    Publicado em 22 de Março de 2014.

    As decisões tomadas pela administração central e local relativamente ao Plano de Pormenor da Praia Grande não consideraram todos os factos e não foram fundamentadas por informação sólida, de acordo com a Plataforma dos Amigos da Lagoa dos Salgados. A situação motivou uma recente interposição de duas acções no Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé.

    O pedido de nulidade da deliberação camarária para avançar com a execução do Plano de Pormenor da Praia Grande (PPPG) e o pedido de anulação da Declaração do Impacto Ambiental (DIA), junto do Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé foram justificados pela necessidade de defender o interesse público, bem como as insuficiências detectadas no processo de avaliação de impactos.

    De acordo com a plataforma, os interesses particulares foram colocados acima do interesse público, permitindo o avanço de um projecto megalómano, mesmo sabendo que este irá trazer prejuízos ambientais irreversíveis.

    “Foi um duro revés para a Lagoa dos Salgados e toda a área natual existente entre Armação de Pêra e Albufeira”, referiu em comunicado a Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), que faz parte da plataforma.

    O comunicado da SPEA refere que “foram alegados benefícios para a economia e para o desenvolvimento regional com a criação de postos de trabalho, mas não existe nenhuma fundamentação da viabilidade económica que demonstre a sustentabilidade do que se afirma.” Para além disso, continua a SPEA, é conhecido que o empreendimento da Herdade dos Salgados, situado ao lado do local para este novo projecto, e pensado para a mesma gama de clientes, estará em falência.

    O Plano Regional de Ordenamento do Território do Algarve (PROTAL), que reconhece o valor ambiental da Praia Grande como corredor ecológico costeiro e a importância da sua protecção (Unidade Ecológica de 1º e 2ª Prioridade de Conservação), não terá sido respeitado, de acordo com o comunicado, que refere que “para além da falta de fundamento, insistiu-se em tomar decisões alheadas dos instrumentos de ordenamento do território”.

    A zona é conhecida pela presença de importantes aves migratórias, tendo a Lagoa dos Salgados recebido a classificação de Important Bird Area e a Câmara Municipal de Silves tem previstas outras áreas já delimitas como Zonas de Ocupação Turística, que ainda não foram desenvolvidas.